7.11.16

Agora é a vez da Mary O And The Pink Flamingos


Dia desses eu falei aqui da Paquetá, e navegando nas sonoridades da banda citada cheguei na maravilhosa Mary O And The Pink Flamingos. Não sei você, mas a minha sensação ao ouvir o som desse trio feroz foi um misto de tristeza e euforia. A tristeza foi por conta do desconhecimento dessa jóia rara de nosso subterrâneo e a euforia se deu pelo fato de poder tapar esse buraco em meu hd sonoro. Tá, agora falando do som, que achei bem necessário (pois ando ouvindo muito no trampo e nas horas vagas), a demozinha desses doidos, datada do passado ano de 2013, consta que foi captada de forma caseira, e talvez seja esse o fator que fez com que este que aqui relata tenha gostado de forma bastante intensa, juntamente com a mescla de estilos, que passeiam entre a surf music, o punk vagabundo e o garage rock descompromissado, chegando numa das melhores miscelâneas sonoras que eu tive contato nos últimos anos. Ouça "A Luz de Lava" e concorde comigo que o cheiro da marola de um bom beck bolado surge no inconsciente desgastado pelas loucuras de uma vida imunda. Tem também a bela "Pesestas", que por algum diabo bom que cutucou a minha mente, me remeteu as cantigas do The Clevers que mamãe ouvia no sábado à noite. Outra foda é "Hello Boys! Sorry Girls!", aceleradinha na medida certa e com um tom riot grrrl no vocal que deixa o esquema cabuloso até umas horas. Mas aí, tudo que ouvi é igualmente foda ao que já citei, então o que resta mesmo é você clicar no bandcamp do conjunto e apreciar a ótima sonoridade. Falei meio embaralhado e foi no improviso mesmo. Ouça e espalhe.


ouça e baixe aqui:






0 comentários: